9 Procedimentos Desnecessários em Bebês Recém-Nascidos

9 Procedimentos Desnecessarios em Bebes Recem-NascidosMuito se fala por aí de parto, indução e anestesias e outros procedimentos que são feitos nas grávidas. Mas e nos bebês, vocês já pararam para pensar? Muitas das coisas que fazem nos bebês assim que eles nascem são desnecessárias. Hoje vou falar para vocês tudo que é feito nos hospital na recepção do recém-nascido, mas que pode ser evitado.

Você sabia que os profissionais de saúde fazem esses procedimentos desnecessários no seu bebê assim que ele nasce, mas que você pode evitar que isso aconteça através de um termo assinado por você? Esses procedimentos só servem para trazer sofrimento para o bebê.

Mas por que os profissionais de saúde continuam fazendo esses procedimentos se já foi comprovado que não faz bem para o bebê? Porque é protocolo! São procedimentos de rotina que são feitos sem serem contestados. Mas saiba que esses procedimentos podem causar anemia, alergias, arritmia cardíaca e outros problemas no recém-nascido. Então vamos falar de cada um deles.



 

1- Corte Imediato do Cordão Umbilical:
Assim que o bebê nasce o médico corta logo o bebê umbilical. Esse corte imediato também é chamado de corte precoce do cordão umbilical. Essa pressa não deveria existir, uma vez que o bebê se beneficia desse sangue que está no cordão umbilical.

Já foi comprovado que esperar para cortar o cordão umbilical pode aumentar o estoque de ferro do bebê. O clampeamento tardio do cordão umbilical (quando espera parar de pulsar) resulta em maiores estoques de ferro nas crianças de 4 meses de idade e menor prevalência de anemia neonatal.

Todo o sangue que se encontra no cordão umbilical é do bebê, ou seja, não tem sangue da mãe no cordão umbilical. Então cortar o cordão umbilical precocemente, priva o bebê de até 40% do seu próprio sangue.

O ideal é que, se nascer de cesárea esperar pelo menos 3 minutos para cortar o cordão e se nascer de parto normal, esperar que o cordão pare de pulsar para poder clampear.

2- Aspiração das Vias Aéreas:
Um tubo é introduzido pelo nariz do bebê afim de “remover secreções”. Mas o bebês que nascem bem não precisam desse procedimento, pois eles são capazes de limpar as suas vias aéreas sozinhos tossindo e/ou espirrando. Menos ainda necessitam desse procedimento aqueles bebês que nascem de parto normal, pois ao passarem pelo canal vaginal o pulmão dos bebês é massageado provocando a expulsão natural dos líquidos.

Esse tipo de procedimento pode causar potenciais riscos ao bebê como arritmias cardíacas, laringoespasmo (oclusão da glote devido a contraçäo dos músculos da laringe) e vasoespasmo da artéria pulmonar.

Esse procedimento deveria ser usado somente em casos em que o bebê nasce deprimido e houver aspiração de mecônio.

aspiracao

Bebê sendo aspirado

3- Aspiração Gástrica:
O mesmo tubo é introduzido pela boca do bebê para que se faça a limpeza gástrica. Acontece que se o bebê nascer bem, não importa se de parto normal ou de cesárea, ele não precisa desse procedimento.

Esse procedimento deve ser usado para salvar vidas, como a vida daquele bebê que aspirou mecônio enquanto estava no útero da mãe e não deve ser usado rotineiramente como geralmente acontece.

A aspiração gástrica pode levar a diminuição de frequência cardíaca, espasmos de laringe, queda da pressão arterial e dificuldade dos bebês em mamar.

4- Sondagem Anal:
Uma sonda é introduzida no ânus do bebê para verificar se a passagem está desobstruída. Mas o ideal é esperar pelo menos 24 horas para ver se o bebê evacua e se caso não evacuar realizar esse procedimento.

5- Credé – Colírio de Nitrato de Prata:
O bebê nasce, é aspirado pelo nariz e pela boca, que já são procedimentos que são dolorosos e causam estresse. Aí o pediatra pinga nos seus olhos colírios que doem e ardem muito.

Vocês sabiam que esse tipo de procedimento não é utilizado aqui na Europa? Eu quando perguntei para a minha doula sobre esse tipo de procedimento ela até se assustou quando eu afirmei que é usado no Brasil.

Esse colírio é eficaz para os bebês que nascem de parto normal e a mãe tem gonorreia. Se você for tentar parto normal, peça para o seu obstetra para fazer uma cultura andovaginal para gonorréia durante o pré-natal. O exame dando negativo não há necessidade alguma de utilizar o colírio de nitrato de prata logo depois do nascimento.

E para cesáreas? Para bebês nascidos de cesáreas a necessidade desse colírio é zero, já que os bebês não passam pelo canal vaginal. Mas mesmo assim os pediatras continuam utilizando por ser protocolo. Um absurdo, eu sei, mas você pode recusar esse procedimento.

O colírio de nitrato de prata, além de ser um procedimento doloroso que arde os olhos do recém-nascido, ele também pode causar conjuntivite química. Além de tudo ele não é eficaz contra a clamídia (é somente eficaz contra a gonorreia).

O colírio de nitrato de prata pode ser substituído pela eritromicina, que previne tanto a oftalmia gonocócica quanto a por clamídia.

6- Vitamina K
A vitamina K é muito necessária para o bebê pois ela previne a doença hemorrágica do recém-nascido e as conseqüências desta hemorragia podem ser graves o que justifica uma ação preventiva eficaz.

O problema aqui está na forma com que essa vitamina K é administrada no hospital: através de uma injeção intramuscular na coxa do recém-nascido. Esse procedimento é muito invasivo e doloroso.

A vitamina K tem a mesma eficácia se ofertada em forma líquida, oralmente, de maneira repetitiva: no dia do nascimento, com uma semana de vida e com um mês de vida. Para esse tipo de administração da vitamina k deve-se haver um comprometimento muito grande dos pais de continuar a administração em casa.

OBS: recém nascidos de alto risco para doença hemorrágica, ou seja, aqueles que nasceram prematuros e com baixo peso ao nascimento, com complicações perinatais, filhos de mães que usaram anti-convulsionantes, anticoagulantes e tuberculostáticos na gestação, devem receber a profilaxia na forma intramuscular.

Parece que essa vitamina K líquida não se encontra no Brasil, tendo os pais que trazerem ou dos Estados Unidos ou da Europa.

7- Separar o Recém Nascido da Mãe
O bebê ficou 9 meses dentro da mãe e é com ela que ele está costumado. É a voz dela e o calor do corpo dela que vai acalmá-lo. Ele não está acostumado com esse mundo aqui fora. O ideal é que o bebê fique com a mãe desde o momento do seu nascimento.

Alguns hospitais levam os bebês para o berçário ou incubadora sem que haja uma real necessidade. Bebês que nasceram bem não precisam de incubadora. Não existe um regulador de temperatura melhor do que o colo nu de sua mãe.

O Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde são bem claros ao falar sobre a importância do contato pele a pele da mãe com o bebê assim que ele nasce. Além da amamentação imediata que deve ser estimulada.

O bebê não precisa ficar horas no berçário em “observação”, sozinho, longe da sua mãe. Não existe uma real necessidade disso.

8- O Banho Dado Pela Enfermeira
É comum o banho dado pela enfermeira para que seja retirada toda a “sujeira” do bebê e este seja entregue limpinho para a família. Só que acontece que essa “sujeira”, que é chamada de vérnix caseoso, não é sujeira, é proteção natural do bebê.

O vérnix é um material gorduroso branco, formado pelo acúmulo de secreção das glândulas sebáceas e inclui células epiteliais e lanugem e que recobrem a pele do recém-nascido. Ele pode ter uma camada muito fina ou muito espessa e que normalmente desaparece sozinho por volta de 24 horas, mas muitas vezes em poucas horas de nascido, podemos perceber a pele do bebê sem a camada protetora.

Esse vérnix protege a pele do bebê contra bactérias, ajuda a fazer a termo regulação e é importante para uma boa adaptação extra-uterina.

As principais funções do vérnix são: hidratação, barreira natural contra possíveis infecções, proteção solar, propriedades regenerativas da pele.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, o vérnix caseoso não deve ser removido imediatamente. O banho deve ser adiado por pelo menos 6 horas após o nascimento.

Mas existem alguns casos em que a sua remoção deve ser realizada logo após o nascimento, como por exemplo no caso de bebês de mães com HIV, história de infecções prévias e perinatais, e também em casos de líquido amniótico meconial ou fétido.



9- Oferta de Líquidos ao Bebê
É comum que se dê no bebê, no berçário, soro glicosada ou leite artificial de lata. Essas coisas acontecem sem o consentimento e sem o conhecimento dos pais. Esse tipo de atitude pode atrapalhar a amamentação e pode desencadear uma alergia no bebê.

Aqui em casa por exemplo, o meu marido e o meu filho tiveram alergia à proteína do leite de vaca pelo contato precoce com o leite. Alergia essa que cessou quando os dois completaram 1 ano de vida.

Aqui na Irlanda quando questionei no hospital se dariam mamadeira à minha filha sem a minha permissão (pois ela teve que ficar 10 dias na UTI) eles disseram que não, que dar qualquer coisa para o bebê sem a permissão dos pais é crime aqui.

Eu, sinceramente, acho que isso deveria ser tratado da mesma forma no Brasil.

Em resumo, se o seu bebê nascer saudável e sem complicações, você pode recusar qualquer um desses procedimentos que podem causar dor e estresse ao seu recém-nascido.

Fontes:
Bebê Mamãe 
Parir e Nascer 
Vila Mamífera

Um Comentário:

  1. Vc tem dado sobre o corte tardio do cordão associado a maior incidência de icterícia no recém nascido? Pois quanto mais sangue vai da placenta pro bebê mais sangue da mãr deverá ser metabolizado por ele, logo maior a chance de icterícia (ainda que fisiológica). Gostaria de saber se tem alguma informação a esse respeito pois onde moro aumentou muito a incidência de bebês que fazem icterícia fisiológica precoce e com necessidade de internação para banho de luz.

Dê a sua opinião: