Abuso Sexual Infantil – 5 Regras Para Ensinar às Crianças e Evitar o Pior

Oi gente, hoje vamos falar de um assunto sério porém necessário: abuso sexual infantil.

De acordo com as estatísticas, cerca de 1 em cada 6 meninos e 1 em cada 4 meninas serão abusados ​​sexualmente até a idade de 18 anos e que 34% das vítimas de abuso sexual eram menores de 9 anos .



A idéia de que bebês e crianças pequenas são vítimas de abuso sexual é algo que nenhum de nós consegue digerir muito bem, mas isso acontece diariamente.

A verdade é que, embora não possamos controlar tudo o que acontece com nossos filhos, existem várias maneiras de protegê-los e tentar evitar que isso aconteça.

Comece falando sobre o assunto com eles diretamente. Fale de sexo, corpos e limites com eles. Desde o momento em que eles já desenvolveram a linguagem e conseguem compreender o que você diz.

Seguindo essa idéia da conversa, eu venho hoje dar dicas de 5 regrinhas que vocês podem ensinar aos seus filhos para evitar o abuso sexual infantil.

  1. “Meu corpo é meu corpo e ele pertence somente a mim!”

Ensine ao seu filho que ele não precisa abraçar ou beijar qualquer pessoa que ele não quiser. Ele não é obrigado. Nem mesmo avó ou alguém da família. Sim, não há nada de errado com beijos inocentes e abraços, teoricamente. Mas trata-se de ensinar aos seus filhos que seus corpos são somente deles e as únicas pessoas que podem decidir o que acontece com eles (exceto no caso de preocupações relacionadas à saúde ou com procedimentos médicos) .

  1. Nossos filhos precisam saber que eles têm uma “Rede de Segurança”.

É importante as crianças saberem que existem adultos em sua vida a quem eles podem contar em qualquer tipo de preocupação ou medo. Pessoas que os ouvirão sem envergonhá-las, pessoas que acreditarão no que eles falam. A maioria das crianças sabe quem essas pessoas são intuitivamente, mas faz sentido nomear essas pessoas para elas, mesmo que seja uma lista muito pequena de pessoas. Se alguma coisa fora do comum acontecer, as crianças precisam saber de antemão em quem eles podem confiar, independentemente do quão estranho ou desconfortável sejam os sentimentos ou medos dos seus filhos.

  1. Nossos filhos devem aprender os “sinais de alerta precoce” de possíveis abusos ou violações dos locais proibidos no corpo.

Quando as crianças experimentam um trauma, sentem-se primeiro em seus corpos e, muitas vezes, nem sabem realmente o que está acontecendo além das sensações corporais que experimentam. Os pais podem ensinar as crianças os sinais de ansiedade e desconforto que podem experimentar (como transpiração, “borboletas” na barriga, aumento da freqüência cardíaca, tremores). As crianças precisam saber que esses sentimentos são reais, não é algo para esconder, é algo que eles precisam compartilhar com alguém da sua “rede de segurança”

  1. Nossos filhos devem saber que eles não precisam manter segredos.

Os abusadores sexuais costumam fazer com que as vítimas jurem não contar para ninguém sobre o que aconteceu, fazendo com que realmente acreditem que contar o acontecido seria uma violação da confiança e seria tão aterrorizante quanto ou mais que o próprio abuso. É por isso que nós devemos envinar as crianças que eles não podem manter segredos dos seus pais de jeito nenhum, por nada nesse mundo. Sempre fale para o seu filho que, se alguém lhes disser um segredo, seja uma pessoa conhecida ou alguém próximo, que eles não precisam manter esse segredo, e eles podem contar o segredo para alguém da “rede de segurança” imediatamente.

  1. Nossos filhos precisam entender que as partes íntimas são intocáveis e precisam aprender o mais cedo possível.

Precisamos ensinar os nossos filhos sobre suas partes íntimas o mais cedo possível. O ideal é não usar eufemismos – isso só faz parecer confuso ou embaraçoso. Chame as partes íntimas de “pênis”, “vagina”, “ânus”, etc. Você precisa ser realista e maduro sobre isso, então eles saberão que não precisam sentir vergonha das suas partes íntimas. Nossos filhos também precisam saber que seus órgãos genitais pertencem a eles, e são apenas deles. Nunca é apropriado que alguém os toque, a menos que seja um pai (para limpar, dar banho etc) ou para um exame ou procedimento médico (no consultório médico, com os pais presentes ou por perto). Nossos filhos precisam saber que não é aceitável que qualquer adulto peça para que eles toquem suas partes íntimas ou que mostrem seus órgãos sexuais aos nossos filhos.

Pais e mães: eu sei que esse tipo de conversa é difícil de se ter, mas normalmente somos nós aqueles que sentem o constrangimento, não os nossos filhos. Especialmente quando os nossos filhos são pequenos, eles não sabem que é tabu falar sobre qualquer uma dessas coisas (e esse é mais um motivo para começar a conversar cedo sobre esse assunto).

Precisamos educar crianças que serão capazes de reconhecer quando algo inadequado está acontecendo ou aconteceu. Precisamos criar crianças que aprenderão a “cheirar” situações inadequadas sempre que possível, e ouvir seus intestinos se acharem que qualquer coisa é remotamente errada sobre uma pessoa ou situação em que estão. E, finalmente, temos que criar crianças que virá a nós com qualquer suspeita de irregularidades.

Não podemos evitar qualquer coisa ruim que possa acontecer aos nossos filhos, mas podemos ensiná-los a ser protetores e conscientes da autonomia de seus próprios corpos. Podemos empoderá-los e dar à eles uma voz para falar contra qualquer violação.

 

Fonte http://www.scarymommy.com

1 comentário

  1. Drica comentou

    Gente, isso é um absurdo!!!! Tem que acabar com esses abusos imediatamente, é desumano! Pais, vamos ficar alerta!!!

Deixe seu comentário!