Amamentação no Brasil X Amamentação na Europa – Quais São as Diferenças

Oi gente! Tudo bem? Hoje vou fazer sobre amamentação no Brasil e amamentação na Europa também. Vou comparar os dois lugares e falar o que eu vejo de errado – claro, é a minha opinião, mas é embasada em estudos e vivência também, as duas coisas juntas.

O Eric nasceu no Brasil, eu consegui o amamentar por 5 meses e ele largou o peito. Desde então eu decidi que estudaria sobre amamentação a fundo para poder conseguir amamentar um próximo filho, caso eu tivesse outro bebê, e foram 2 anos e meio de estudos e muita leitura.

Nesse meio tempo entre um filho e outro, eu escrevi muitos textos, que você consegue encontrar aqui no blog, eu ajudei muitas amigas e todas conseguiram amamentar. Isso para mim já foi uma grande realização em cima de uma frustração que eu tinha, que era de não ter conseguido amamentar.



Aí a Mia nasceu, na Irlanda e tivemos que ir para a UTI por causa de uma infecção no sangue. Ela ficou 10 dias na UTI e eu fiquei 12 dias internada. Mas eu consegui amamentar o meu bebê. Foi um longo trabalho pois tiveram que dar mamadeira para ela no hospital (com autorização do meu marido, isso na Irlanda dá processo). Mas eu consegui, com os meus conhecimentos e com ajuda de pessoas capacitadas, tirar essa mamadeira e amamentar exclusivamente a partir do momento que tirei a mamadeira, até os 6 meses completos dela.

Eu tenho MUITO orgulho de ter conseguido amamentar a minha filha porque foi uma verdadeira batalha para conseguir.

Mas não é sobre isso que eu quero falar hoje. Hoje eu quero falar sobre a diferença de tratamento para com a amamentação entre o Brasil e a Europa (me baseando na experiência com amamentação que eu tenho tanto na Irlanda quanto em Malta, onde moro hoje em dia). Então gravei esse vídeo abaixo para te explicar a diferença, onde estão os erros de cada lugar (no meu ponto de vista) e o que podemos mudar:

2 comentários

  1. Nossa que dificuldade 🙁 Amamentar é uma das coisas mais complexas para uma mãe. É aquele laço com o filho <3

  2. Fernanda Werghara comentou

    Adorei os textos e os vídeos. Sou babá nos Estados Unidos de uma criança de 4 anos com autismo, e de um neném de 16 meses. Recentemente, a mãe me deu uma lista de desenvolvimento infantil e disse que na idade do neném ele deveria ter 40 palavras. Contamos, filmamos, fizemos uma lista e ele tem 30, dez em inglês e 20 em português… (a mãe não ficou feliz) Queria poder ler esses textos pra ela, mostrar os vídeos, mas com o bloqueio na nossa comunicação fica meio difícil! Parabéns pelo blog!

Deixe seu comentário!