BLW – Baby Led Weaning – Alimentação Complementar

novo metodo de introducao alimentar blw baby led weaningUma nova técnica de introdução da alimentação complementar tem conquistado cada vez mais adeptos no Brasil. Ela é conhecida como Baby Led Weaning (BLW) que significa “Desmame guiado pelo bebê” e incentiva  a autonomia da criança nas refeições, sem uso de utensílios e sem influência dos responsáveis. Esse método foi criado pela britânica Gil Rapley, que iniciou a experiência com seus filhos.

Nesse método, os alimentos são introduzidos às crianças na forma de sólidos, em pedaços grandes, e não de papas, facilitando com que as crianças os segurem e os comam o quanto quiser. A idéia é que elas aprendam a comer naturalmente e escolham quando, quanto e como querem comer, decidindo por mamar menos até que o desmame seja completo.



O BLW possui alguns princípios que merecem destaque:

1) Amamentação como base para a auto-alimentação
Esse princípio se refere ao fato de que aqueles bebês que amamentam exclusivamente ao seio e em livre demanda nos primeiros seis meses de vida, desenvolvem a capacidade de regular o mecanismo de fome, saciedade e ingestão de líquidos, já que controlam quanto tempo dura cada mamada. Além disso, o leite materno tem o sabor modificado pela alimentação da mãe, e isso prepara o bebê para experimentar novos sabores ao iniciar a alimentação complementar.

2) Motivações do bebê
Segundo esse princípio, o método despertaria a vontade de explorar e conhecer os novos alimentos, além de dar autonomia ao bebê de definir o tempo de cada refeição. O BLW foca na exploração e não na alimentação em si, porque a motivação para a transição seria mais a curiosidade do que a fome. As refeições não precisam ser nos mesmos horários que as antigas mamadas.

3) O bebê pode engasgar?
Esse princípio enfatiza que o bebê tem menos riscos em relação a engasgos quando está no controle do que quando é alimentado com talheres. Se o bebê é resistente a colocar a comida na boca, provavelmente ainda não está completamente pronto para come-la. Sendo assim, não se deve “ajuda-lo”, já que suas próprias habilidades assegurarão que a transição aos sólidos será feita no momento certo para ele. É importante que a criança esteja sentada na posição vertical, o que garantirá que algum alimento que ele não seja capaz de comer seja colocado pra fora.

4) É seguro?
As medidas de segurança no momento da alimentação são as mesmas que em qualquer outra técnica. Deixar fora do alcance do bebê alimentos muito pequenos, como amendoim.

5) Garantindo uma alimentação saudável com o BLW
Bebês que se alimentam sozinhos tendem a aceitar uma maior variedade de alimentos, porque conhecem a textura, cor e formato dos alimentos.  Segundo o BLW, se a criança deixa de comer algo que pareça não gostar será preparada e encorajada a experimentar sempre novos alimentos. Isso não exclui a necessidade de ofertar algum alimento rejeitado em outra situação. Nesse método, também são contra indicados produtos industrializados e adicionados de açucar.

6) Como fazer com as bebidas?
Esse princípio indica que continuar a amamentação em livre demanda tem a vantagem de permitir ao bebê decidir quando e quanto ele vai mamar, ocorrendo naturalmente a diminuição das mamadas, conforme a criança aumenta o seu consumo e interesse por outros alimentos. No caso de bebês que consomem fórmula infantil deve-se oferecer água com regularidade assim que o bebê começar a comer.

O BLW não pode ser usado por qualquer criança, entre elas aquelas prematuras ou que nasceram com alguma condição especial de saúde.

O equilíbrio na forma como são oferecidos os novos alimentos é a alternativa mais adequada. O mais importante é que a introdução da alimentação complementar seja feita de modo que a criança seja ATIVA e PARTICIPATIVA. Ela tem que ter total liberdade para tocar nos alimentos, se sujar e conhece-los, utilizando as mãos ou os utensílios que são comuns à nossa cultura alimentar. A criança pode receber sua refeição num prato sim, com todos os grupos alimentares, desde que estes não estejam liquidificados ou peneirados.

Não existe nenhum manual da Sociedade Brasileira de Pediatria, da Associação Brasileira de Nutrologia ou do Ministério da Saúde que cite ou recomende o método BLW. Muitas perguntas ainda estão sem respostas para esse método e devemos ficar de olho.

É fundamental que os responsáveis conversem com profissionais capacitados sobre a melhor técnica para cada criança.

Foto: ReallyRisa

 

priscila e anna nutriped nutricionistas infantil no mamae tagarelaPriscila La Marca Pedrosa e Anna Carolina Ghedini escrevem artigos para o Mamãe Tagarela.

Priscila e Anna Carolina são nutricionistas nas áreas infantil e gestacional.

Conheça a página delas, NutriPed, no Facebook.

Dê a sua opinião: