Como a Anestesia Peridural Afeta os Bebês

epiduralEm países de alta renda, 50% a 80% das mulheres toma anestesia peridural (ou epidural) durante o parto. Porém, a grande maioria delas não sabe o impacto que este procedimento pode ter sobre os seus bebês. A maioria dos profissionais de saúde acredita que a peridural tem pouco ou nenhum efeito sobre os bebês, mas uma pesquisa recente da Universidade de Granada (Espanha) estudou o nascimento de mais de 2600 bebês e descobriu que o uso dessa anestesia tem alguns efeitos adversos nos recém-nascidos. Estes efeitos incluem: baixos índices no boletim Apgar, maior risco de necessidade de ressuscitação, redução da taxa de amamentação precoce e, finalmente, um maior índice de admissão a UTI Neonatal.

Os bebês cujas mães tomaram anestesia peridural são mais propensos a desenvolver problemas respiratórios no período imediatamente após o nascimento. A maioria dos profissionais de saúde acreditam que a quantidade da anestesia que atinge o bebê não é suficiente para causar quaisquer efeitos nocivos. No entanto, a peridural pertence a uma classe de medicamentos que podem atravessar a barreira placentária durante o parto e causar dificuldade respiratória. Isso significa que o bebê não recebe oxigênio suficiente e não consegue expirar o dióxido de carbono. Em alguns casos, o bebê pode precisar da ajuda de aparelhos para respirar, ou em casos mais graves pode precisar de reanimação de emergência, o que é uma experiência muito estressante e assustadora para os pais.

Os bebês que nascem com dificuldades respiratórias têm índices menores no Apgar. O Apgar é um teste rápido realizado em recém-nascidos entre 1 e 5 minutos após o nascimento. O teste analisa: esforço respiratório, frequência cardíaca, tônus muscular, reflexos e cor da pele. A pontuação do teste pode variar de 1 a 10. Se o resultado for menor que 7, o bebê vai precisar de acompanhamento médico. Muitas vezes, bebês com notas baixas precisam ser internados em UTI’s neonatais para observação e cuidados médicos contínuos.



Quando o recém nascido é internado na UTI Neonatal, isso significa que ele será separado da mãe imediatamente após o nascimento. Isso pode ter efeitos significativos no bem-estar físico da criança, bem como sobre o bem-estar emocional da mãe e do bebê.

Bebês que são separados de suas mães não podem ser amamentados imediatamente e nem podem ter o contato pele-a-pele com a mãe, tão importante para a produção de ocitocina na mãe. A ocitocina estimula a produção de leite e promove o vínculo mãe-bebê. O uso da anestesia peridural reduz a produção desse hormônio. A separação também afeta a auto regulação da temperatura corporal do bebê e aumenta o nível de estresse dele.

A escolha sobre usar anestesia peridural é pessoal. Você, junto com o obstetra, deve levar em consideração os riscos e benefícios envolvidos. Muitas mulheres optam pela anestesia por medo de não tolerar as dores do parto e isso é uma escolha válida assim como a escolha de não tomar anestesia. O importante é você se informar, para que a peridural não seja algo que aconteça de forma automática no seu trabalho de parto.

Caso você opte por usar anestesia peridural, existem algumas maneiras para se ter uma experiência positiva após o nascimento e minimizar alguns dos possíveis efeitos do seu uso.

– Corte tardio do cordão umbilical. Depois do nascimento, o cordão umbilical continua pulsando por alguns minutos. Enquanto isso, o bebê ainda recebe sangue altamente oxigenado. Caso a respiração dele não esteja 100% por conta do uso de anestesia peridural, ele vai se beneficiar muito do sangue já oxigenado que vai receber da mãe até que o cordão pare de pulsar.

– Mantenha seu bebê perto de você. O contato pele a pele é um dos aspectos mais importantes de suporte pós nascimento para seu bebê. Ele vai se sentir mais confortável e seguro. Converse com a equipe obstétrica sobre a possibilidade de realizar procedimentos simples com o bebê ao seu lado. Se você não puder fazer isso por algum motivo, peça ao seu parceiro para tirar a camisa e manter o bebê perto de seu peito, aquecido e ouvindo os batimentos cardíacos.

Caso seu bebê precise de mais cuidados, ele provavelmente será levado para a UTI Neonatal. Converse com seu médico obstetra sobre ter contato pele a pele com seu bebê e como fazer para amamentar o recém nascido na unidade intensiva.

Fonte: BellyBelly

Dê a sua opinião: