Como Tornar o Desfralde Divertido Usando o Lúdico

Como Tornar o Desfralde Divertido Usando o LudicoOlá mamães, hoje uma das leitoras queridas aqui do Mamãe Tagarela veio contar a experiência dela com o desfralde da filha. Ela usou o lúdico para isso, inventou muita coisa legal para tornar um momento tenso em algo tão divertido e deu certo. Não vou falar mais para não estragar o texto. Então vem comigo ler que tá bem legal!

Olá, meu nome é Juliana mais conhecida com Juh (até prefiro) e tenho uma baixinha de 2 anos e 11 meses a quem dedico 100% do meu tempo, e inspirada nesse carinho e cuidado que tenho com ela, a querida Mamãe Tagarela me convidou para contar minha experiência de desfralde. Então vamos lá! Eu moro longe da minha família tanto a minha quanto a do meu marido, e sempre que os visitava ouvia muito: “ Vamos tirar a fralda da Anna (minha filha)?”, “Olha eu tirei rápido a de fulano.”, coisas que considerava e ainda considero incômodas porque quem sabe o ritmo do seu filho é você e não tem discussão e nem pitacos. Comecei a observar que minha filha sentia incômodo em estar com xixi em novembro do ano passado, esperei mais alguns dias e comecei a ter ideias e mais ideias, ok tenho que assumir sou ótima em ter ideias e dar apelidos a todos os brinquedos da minha filha. O próximo passo foi colocar essas ideias em práticas:

1 – Se seu filho(a) muda de comportamento com o papai perto (meu caso), escolha iniciar o desfralde quando ele não estiver perto;



2 – Comprei um penico rosa e roxo com carinha de ursinho, mesmo com essas cores tão associadas a menina, resolvi dar um nome bem engraçado Sr. Penico Comilão, o que fez minha filha criar uma atenção a ele toda especial, ela começou brincando com ele colocando brinquedinhos dentro e acabou criando uma intimidade com ele;

3 – Comecei a usar personagens de histórias de contos de fadas, piratas, fadas, bailarinas,etc. Fiz isso porque eram personagens que ela estava familiarizada há tempos e assistia alguns desenhos. Minha dica é essa, descobrir o que o filho(a) mais gosta e coloca-los como personagens isso ajuda tantooooooo!!! E muita leveza porque sim, nos frustramos muito por não ver progresso aparente, saiba que eles estão atentos e só descobrimos depois;

4 – A parte que achei mais complicadinha foi explicar como fazer xixi no penico, porque não tem crianças da idade dela perto de casa, apenas na escolinha e lá elas usam os mini-vasos. O que resolvi fazer? Fiz xixi no penico, sim fiz e ela viu e ela achou aquilo o máximo, desse dia em diante que ela sentou no penico pra fazer xixi mas não fazia uma gotinha;

5 – Comecei a colocá-la com asinhas de fada (essas que vendem em qualquer armarinho) e aproveitei algumas fantasias dela, e iniciei uma historinha mágica cheia de detalhes onde ela e o Sr. Comilão eram os personagens principais. No começo fez xixi na calcinha milhões de vezes (tem horas que você fica nervosa, mas respire fundo e vamos lá!) e pedia desculpas, nunca desculpei porque não tinha o que ser desculpado afinal ela estava aprendendo e falava sobre isso sem brigas, acontece mesmo;

6 – A ideia mais genial que tive foi criar uma musiquinha e sair dançando com ela pela casa quando ela fazia xixi, vamos a música:

“Onde faz xixi? Xixi é no peniquinho
Quem é o peniquinho? Sr. Comilão
E o que ele quer? Encher a barriguinha com xixi, xixi e xixi”

E continuei criando musiquinhas e historinhas, me transformei em pirata, bruxa, fada junto com ela (tudo isso porque tenho meu tempo exclusivo a ela).

7 – Fiz tudo isso, transformei numa brincadeira deliciosa e tive a minha recompensa um mês depois, quando estávamos na varanda  (detalhe onde íamos Sr. Comilão ia atrás) ela foi sozinha sem pedir, super independente e perguntou: “ Tá com fome ainda Comião?”, e eu lá de longe disse com uma voz de velhinho: “Agora não, muito obrigada pelo papazão!” e chorei, foi trabalhoso, foi inspirador usar daquilo que ela ama até hoje para ensiná-la a ter mais independência, aquele momento senti o cordão umbilical (virtual) se romper para dar passagem a uma nova fase da minha baixinha. E ainda continuo com o cocô porque ela varia muito nos horários de nº2, mas agora a história é com o vaso e a descarga. Tudo no seu tempo, não é mesmo?

ju para mamae tagarela

Juh Ciruffo e a sua filha 

Dê a sua opinião: