Grávida Estressada, Bebê em Risco

Gravida Estressada Bebe em RiscoVocê sabia que o estresse e a ansiedade durante a gravidez podem ter efeito sérios sobre o seu bebê? Até pouco tempo atrás, acreditava-se que a saúde do bebê no útero dependia apenas do bem-estar da mãe e de seus hábitos saudáveis, como a prática de esportes, uma alimentação balanceada e o não consumo de álcool nem drogas. Mas vários estudos nas últimas décadas têm demonstrado que as emoções da mãe durante a gestação também são muito importantes e podem influenciar na vida do bebê a curto e longo prazo.

Você sabia que…

1- A placenta funciona como uma espécie de barreira protetora. Mas as emoções negativas na gestante, como estresse, ansiedade e depressão podem afetar a função da placenta.



2- Uma situação estressante para a mãe faz com que o hipotálamo produza um hormônio chamado CRH. Em seguida, a hipófise secreta outro hormônio chamado ACTH, que instrui as glândulas supra-renais a liberar cortisol. Isso coloca o organismo em um estado de alerta.

3- A placenta então atua como um filtro e impede que o cortisol, que é tóxico, chegue até o feto. Mas quando os níveis desse hormônio na mãe são muito altos, o cortisol consegue atravessar a barreira placentária e desencadear o mesmo estado de alerta no feto.

4- O organismo do bebê então recebe a mensagem de que irá enfrentar um ambiente perigoso quando nascer. Isso é uma resposta biológica que faz com que ele fique mais preparado para reagir: vai sentir mais ansiedade, ficar mais estressado e chorar mais do que um bebê que não teve contato com o cortisol.

5- Além disso, há indicações de que altos níveis de cortisol aumentam o risco de a criança sofrer de TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade).

6- A ansiedade da mãe reduz o fluxo de sangue que chega ao feto. Isso significa que o feto recebe menor quantidade de nutrientes para se formar.

7- Alguns desses estudos também indicam que quanto mais alto for o nível de cortisol no líquido amniótico, que envolve o bebê na placenta, menor será o QI do bebê.

Embora essas pesquisas ainda não tenham comprovação científica, a quantidade de evidências apontando para esses resultados é grande. Na dúvida, é melhor prevenir do que remediar. Por isso é muito importante que a mãe tenha saúde mental. É normal que as mulheres se sintam ansiosas durante a gravidez e alguns aborrecimentos aconteçam. Faz parte da vida. O problema é quando o período da gestação se torna muito estressante por qualquer motivo, seja ele relacionado diretamente à gravidez ou não.

Como reduzir o estresse durante a gravidez? Experimente ouvir músicas calmas e relaxantes, tomar um banho demorado, dar um passeio no shopping sozinha ou com a companhia que quiser, praticar ioga ou meditação, sair com as amigas, ou fazer qualquer coisa que te traga tranquilidade. Tente afastar pensamentos negativos ou pensamentos que tragam ansiedade. Se você estiver passando por um período complicado na sua vida pessoal, é uma boa idéia procurar um psicólogo para te ajudar a lidar com essas dificuldades. Afinal, você não estará cuidando apenas da sua saúde, mas da saúde do seu bebê também

Fonte: Revista Quo

Dê a sua opinião: