Não Saia de Casa Sem Se Despedir das Crianças

dar-tchau-ou-nao-eis-a-questaoMuitas vezes, quando a gente sai de casa, a gente aproveita um momento de distração da criança para abrir a porta e desaparecer sem que ela perceba. Outras vezes, pedimos para alguém distrair a criança para que a gente consiga pegar a carteira, as chaves e escapar de casa para fazer alguma coisa importante na rua. Confesso que eu já fiz isso, sou culpado. Outro dia me peguei pensando… Será que isso é o melhor para meus filhos? E cheguei à conclusão de que não é.

Você sabia que uma criança pequena não entende por que há um minuto atrás ela estava com seu pai ou sua mãe e de repente eles desapareceram? Isso gera uma confusão grande na cabeça da criança, que começa a perguntar pelo papai ou pela mamãe, sem saber se eles vão voltar ou não, sem saber por quanto tempo eles vão ficar fora e sem entender por que eles foram embora. Imagine-se na situação: você está conversando com alguém, aí olha para o lado por 5 segundos. Quando você vira de volta, a pessoa sumiu. É desconcertante para nós adultos, então por que nós fazemos isso com as crianças? A resposta automática é: para evitar que ela chore e sofra. Mas será que se a gente desaparecer da frente deles como um passe de mágica eles vão deixar de sofrer? A resposta é não. Eles vão sofrer. E vão sofrer mais do que sofreriam se você tivesse dado tchau.

Nós não podemos subestimar a questão da separação da mãe para os bebês. A mãe é a referência do mundo do bebê. É a pessoa mais importante. A separação pode ser algo bastante traumático e estressante para bebês pequenos.



menina esperando na portaEntão, quando sairmos de casa, é muito mais natural e respeitoso se despedir com um beijo e um abraço, dizendo que vamos sair por 10 minutos, ou por algumas horas, ou por um dia inteiro para ir ao trabalho, ou para uma viagem de dias. Crianças demoram a desenvolver a noção de tempo, então pode ser melhor dizer algo que faça referência à rotina delas. Por exemplo dizer “papai está saindo mas volta na hora do almoço” ou “a gente se vê depois do seu banho” etc. Mesmo que a gente ache que a criança é muito pequena e não vai entender o que estamos dizendo, dar tchau é o melhor a se fazer. É muito provável que a criança não vá gostar de te ver indo embora e é muito provável que ela chore. Mas é normal e saudável que a criança possa expressar seus sentimentos. Aqui em casa o Pititico chora bastante, me puxa pelo braço, pede para eu ficar, fica na frente da porta para eu não abrir etc. Não estou dizendo que é uma tarefa fácil.

Mas é melhor que a criança se sinta triste porque você está indo embora do que fazer com que ela se sinta insegura diante do seu desaparecimento repentino. Das vezes que eu saí na surdina, ao chegar em casa a Thata me dizia que ele ficou chorando muito mais e me procurando pela casa toda. Isso é uma angústia muito grande para uma pessoa tão pequenina. O que será que se passa na cabeça do meu filho? Algo como “Perdi meu pai!”. Criando esse ritual de despedida, dizendo que você volta mais tarde, vai fazer com que a criança aos poucos associe que isso faz parte da sua rotina. Você vai, mas você volta.

A despedida é importante porque ajuda a criança a assimilar melhor o processo de separação. Ela pode parecer mais dolorosa para os pais quando estão saindo de casa, mas dando tchau você sabe que não usou nenhuma artimanha para enganar seu filho.

Fonte: Bebes Y Mas

Dê a sua opinião: