O Desenvolvimento da Fala no Autismo

A grande maioria dos autistas têm problema na fala, pelo que eu sei. Nesses anos de pesquisa, investigação, muita leitura, tratamento com fonoaudióloga, psicóloga, médicos etc eu entendi que quase todo autista vai ter algum problema na fala.

O que não significa que, se o seu filho tem atraso na fala, ele seja autista.

Alguns autistas são não-verbais. Esses precisam de orientação com fonoaudióloga para poder desenvolver uma forma de se comunicar com seus pais.



Outros autistas têm somente um atraso na fala, como é o caso do Eric. Mas o Eric é autista leve. Atualmente ele tem quase 4 anos e fala como uma criança de 2 anos. Ele não consegue fazer frases longas, gagueja muito, fala na terceira pessoa do singular (às vezes na segunda pessoa), têm ecolalia etc… Então agora eu vou falar das particularidades do desenvolvimento da fala no autismo (do autista verbal). Esses autistas também vão precisar de tratamento com fonoaudióloga. Eric fez algumas sessões e melhorou bastante nesse tempo.

Algumas características da fala do autista verbal:

1-Ecolalia: É quando a pessoa repete o que ouve, principalmente fora de contexto. Um exemplo disso é quando o Eric estava no parquinho só com o pai e eu tinha ficado em casa descansando com a recém-nascida Mia. Eric ouviu outra criança chamando “mamãe olha o passarinho” e ele ficou repetindo “mamãe, olha o passarinho” – mesmo a mãe dele (eu) não estando lá e mesmo não mostrando passarinho para ninguém.

Esse repetição da palavra ou da frase pode acontecer por horas ou pelo dia inteiro. Pode ter a ver com o contexto ou não. Essas palavras podem ter sido escutadas há pouco tempo ou ha muito tempo atrás.

Obs. É normal existir um certo grau de ecolalia quando a criança está aprendendo a falar. Isso não significa que o seu filho seja autista, significa que ele está repetindo sons para aprender.

2-Repetição: A repetição é diferente da ecolalia. A ecolalia é quando a pessoa repete o que foi ouvido em algum lugar. A repetição é um pensamento que a pessoa repete insistentemente. Segundo a psicóloga do meu filho aqui em Malta, essa insistência também é característica do autismo. Por exemplo, se o Eric está procurando os trilhos de um trenzinho de brinquedo, ele vai ficar perguntando “Cadê o trilho? Cadê o trilho?” insistentemente de 5 em 5 segundos.

3-Uso do jargão (jargonoafasia): É a formação da frase de forma incorreta, a utilização defeituosa da organização gramatical. O autista não sabe que está falando uma frase gramaticalmente desorganizada.

4-Afasia: É a linguagem pobre, reduzida, econômica, que se parece um com telegrama ou com o Tarzan falando. O Eric, por exemplo, nunca usa a primeira pessoa do sigular para se referir a ele mesmo. Sempre usa a segunda ou terceira pessoa. Por exemplo, quando ele quer comer algo ele diz “você quer comer uva” ao invés de falar “eu quero comer uva”. Além disso, ele tem o vocabulário limitado, às vezes eu vejo que ele fica nervoso ao se comunicar porque não consegue encontrar palavras. Outro atraso comum na construção da linguagem: ele “come” preposições.

5-Balbuciamento: Não encontrei um nome para isso. Bebês até 2 anos, ou seja, quando estão aprendendo a falar, costumam balbuciar qualquer coisa que não entendemos. Isso faz parte da construção da linguagem. Aqui em casa costumávamos brincar que “Eric está falando em Russo”. Mas após os 2 anos ele continuou balbuciando e isso não é visto como normal. Hoje em dia ele tem quase 4 anos e continua balbuciando em alguma língua que ninguém entende.

6-Regressão na linguaguem: Pode acontecer de o seu filho autista estar desenvolvendo a linguagem, mesmo que atrasada, mas estar avançando aos pouquinhos e de uma hora para a outra ele perde muito da linguagem ou até mesmo para de falar totalmente. Essa fase é assustadora, é desesperadora. Já aconteceu aqui em casa. Eu não dei muita atenção na época porque eu estava na fase de negação, eu não aceitava que o Eric é autista, mas o meu marido, que já aceitava, ficou desesperado achando que ele não voltaria a falar como falava antes. Na época procuramos sobre o assunto achamos a história do Theo: “Uma motanha russa chamada fala”  Aliás recomendo a leitura desse texto para entender porque isso acontece.

7-Teoria da mente: A maioria das crianças autistas não tem capacidade de construir elaborações sobre a mente alheia. O que isso significa? Existe um circuito neuronal no nosso cérebro que nos permite “nos colocar no lugar do outro”. No entanto, a maioria das pessoas com autismo não compreende que cada um tem seus próprios pensamentos e pontos de vista. Por isso é comum vermos o Eric ficando irritado quando nos pede alguma coisa que na cabeça dele faz pleno sentido, mas que nós não temos como saber do que se trata. Por exemplo, ele pode falar “Me dá!”. E nós perguntamos “Dar o que, Eric?” e ele continua falando “Me dá”, sem especificar o objeto. Na mente dele, é nítido que ele quer um determinado carrinho, por isso precisamos estimular que ele nos diga o que ele precisa.

Essas são algumas das características da fala do meu menino lindo daqui de casa. Mas para ajuda com a fala o ideal é você procurar uma fonoaudióloga. Tanto para detectar  o atraso na linguagem, quanto para detectar qualquer característica acima como também para tratamento.

OBS. Esse texto não substitui o diagnóstico com a fonoaudióloga.

Leia mais sobre fala no autismo no texto – 10 coisas que aprendi sobre autismo e fala – Andréia, Lagarta Vira Pupa 

Deixe seu comentário!