O Segundo Filho – Conclusões

O segundo filho vem ao mundo para dar um tapa na cara da gente de mão cheia.

Sabe aquele bando de “não vou fazer isso com meu filho” que algumas mulheres que ainda não são mães falam? Então, mães de um filho só continuam falando. Eu falava!

Café? Mas nunca vou tomar esse troço ruim na minha vida!
Cá estou eu tomando 4 xícaras por dia depois do segundo filho começar a andar.



Cama compartilhada? Não entendo a necessidade disso.
Bastou 3 meses com o segundo bebê acordando A CADA UMA HORA de madrugada para eu não conseguir mais levantar da cama e deixa-la por ali mesmo sugando junto do meu leite o resto da minha energia.

Dar sopa? Nem pensar! O certo é amassar com o garfo e mais para frente cortar pedacinhos.
Mas p-e-l-o-a-m-o-r-d-e-D-e-u-s essa garota não come NADAAAA. Me dá aqui essa joça desse liquidificador logo.

Na maternidade existem duas variáveis: a mãe e a criança. A mãe não vai ser a mesma mãe para dois filhos. O filho não seria o mesmo filho se fosse outra mãe.

Daí você pode imaginar que existem provavelmente milhões de formas de maternar saindo dessa combinação. Assim como é diferente com o segundo, vai ser diferente com o terceiro, com o quarto filho etc.

Duas coisas aprendi com o segundo filho:
1- nunca diga “dessa água não beberei”.
2- nunca julgue outra mãe por achar que você nunca faria o que ela faz/fez. Você não sabe o dia de amanhã.

Maternidade é uma constante arte de cuspir para cima e cair na testa. O t-e-m-p-o t-o-d-o.

E o segundo filho vem para ensinar isso para a gente, que de maternidade o que sabemos é pouco. Mesmo depois de ter o segundo filho.

Autora Thais Cardoso
Mamãe Tagarela
Para mais maternidade real cheia de humor siga o IG @mamaetagarela

Aproveita para ver esse vídeo aqui e entender porque eu comecei a beber café depois do segundo filho:

Deixe seu comentário!