Terror Noturno – Tudo o Que Você Precisa Saber

Terror Noturno - Tudo o Que Você Precisa SaberSeu bebê chora dormindo? Seu filho tem “pesadelos”? Ele grita e fica inconsolável apesar de todas as suas tentativas de acalma-lo? Calma, isso tem explicação. Seu filho pode estar tendo terrores noturnos. Terror noturno é um distúrbio do sono que se parece com um pesadelo, mas com efeitos muito mais intensos. Durante uma crise de terror noturno, a criança pode gemer, chorar, gritar, suar, se debater e até mesmo se sentar na cama, tudo isso dormindo. É muito comum que a criança abra os olhos durante o terror noturno, mas isso não significa que ela esteja acordada. Muito pelo contrário. O terror noturno acontece no estágio de sono mais profundo, que antecede o sono REM. Embora uma crise de terror noturno seja bastante assustadora para os pais, ela geralmente não é motivo de preocupação, nem indica qualquer problema médico ou psicológico.

Existem vários estágios de sono. Cada um deles está associado a uma atividade cerebral específica. O terror noturno ocorre geralmente cerca de 1 hora depois de a criança adormecer, quando saímos do estágio de sono não-REM mais pesado (estágio 4) para o estágio REM. O normal é essa transição ocorrer sem maiores problemas, mas às vezes a criança tem uma reação súbita de medo nesse momento, ficando assustada e agitada. Isso caracteriza o terror noturno.

Uma crise de terror noturno pode durar entre 5 e 20 minutos e não há muito o que você possa fazer para acalma-la. O terror noturno vai embora sozinho, a criança para de chorar, se acalma e continua dormindo. No dia seguinte, a criança não se lembra de absolutamente nada. O terror noturno ocorre em cerca de 5% das crianças e pode se manifestar a partir dos 9 meses de idade, embora seja mais comum depois dos 18 meses. Ele é mais frequente em meninos do que em meninas.



 

Terror noturno é a mesma coisa que pesadelo?

Não. Os pesadelos ocorrem durante o sono REM, que é o estágio em que as pessoas sonham. Depois de um pesadelo, a criança pode acordar assustada e normalmente se lembra daquilo que sonhou (embora seja difícil para ela se expressar antes dos 2 anos de idade). Ela pode ficar com medo de voltar a dormir logo após o pesadelo e, no dia seguinte, ela consegue se lembrar de que teve um sono ruim, sendo capaz de lembrar vividamente as imagens que a deixaram amedrontadas. Quando a criança tem um pesadelo, seus pais conseguem conforta-la e ajuda-la a acalmar.

Já os terrores noturnos não podem ser considerados sonhos, porque não ocorrem na fase do sono em que nós sonhamos. A criança não se lembra de nada no dia seguinte, nem há imagens mentais formadas na memória. Além disso, depois de um episódio de terror noturno, a criança geralmente não acorda. Ao contrário dos pesadelos, as tentativas dos pais de confortar as crianças geralmente são em vão.

Outra diferença é que terrores noturnos são caracterizados como um distúrbio do sono, uma parassonia que afeta uma pequena porcentagem da população (cerca de 5%). Os pesadelos, por sua vez, ocorrem em quase 100% da população, portanto são considerados perfeitamente normais.

 

Quais são as causas do terror noturno?

O terror noturno é causado pela excitação do sistema nervoso central (SNC) durante o sono. Isso pode acontecer porque o SNC (que regula o sono e atividade cerebral quando estamos acordados) ainda está amadurecendo. Existe também um fator hereditário para o terror noturno. Cerca de 80% das crianças que apresentam terror noturno têm algum parente que também teve o mesmo distúrbio do sono, ou alguma outra parassonia, como o sonambulismo por exemplo.

Os terrores noturnos aparecem com mais frequência em crianças que:
– estão doentes, estressadas ou muito cansadas;
– estão sob o efeito de algum medicamento;
– estão dormindo em um ambiente diferente do que estão habituadas.

 

Como reconhecer uma crise de terror noturno?

– Gritos e choro inconsolável;
– Aparência de susto ou desorientação;
– Muita agitação, a criança chega a se debater na cama;
– Fala que não faz sentido (balbucio);
– Muitas vezes os olhos permanecem abertos, com um olhar amedrontado;
– Respiração ofegante;
– Batimentos cardíacos acelerados (podem chegar a 170 BPM);
– A criança não reconhece seus pais ou cuidadores quando estes tentam conforta-la.

 

O que fazer durante uma crise de terror noturno?

Terrores noturnos podem ser bastante perturbadores para os pais. Quem já passou por um sabe o que estou falando. Mas infelizmente não há muito o que você possa fazer. Seu filho provavelmente não vai reagir à sua presença, apesar de ele estar com os olhos abertos. Ele não vai reagir à sua voz tentando acalma-lo, afinal ele está dormindo, num estágio muito profundo do sono. E geralmente as crianças não aceitam ser seguradas ou abraçadas durante a crise. Resumindo, é bem provável que nada que você faça adiante. Isso traz uma sensação muito grande de impotência. Ver a criança num estado de medo incontrolável é desesperador, ainda mais sabendo que somos incapazes de ajuda-la e conforta-la. Então, o que fazer?

– Fique perto da criança para garantir que ela não se machuque quando ela estiver se debatendo;
– Mantenha a calma, entenda que é algo que vai passar em alguns minutos;
– Não tente segurar a criança, nem abraça-la, nem pega-la no colo. Isso pode fazer com que ela fique ainda mais agitada e prolongar o episódio;
– Nunca tente acordar a criança durante o terror noturno. Se você acorda-la, ela pode ficar desorientada e confusa. Pode acabar levando mais tempo para ela se acalmar e voltar a dormir.

 



Tem como evitar o terror noturno? Existe algum tratamento?

Não há nenhum tratamento para terrores noturnos. Eles simplesmente desaparecem por conta própria à medida que o sistema nervoso amadurece. Mas há algumas coisas que você pode fazer para diminuir a chance de seu filho sofrer com terrores noturnos:

– Crie uma rotina para a hora de dormir e tente seguir essa rotina à risca. É importante que esse ritual seja um processo relaxante.
– Não deixe seu filho ficar acordado até muito tarde.
– Certifique-se de que seu filho está dormindo o suficiente durante a noite e cochilando de dia, pois crianças que ficam cansadas demais têm uma tendência maior a passar por terrores noturnos.
– Tente reduzir situações estressantes na vida da criança.
– Os terrores noturnos geralmente ocorrem no início da noite. Observe quanto tempo depois de a criança dormir eles aconteces. Uma estratégia, se nada mais estiver funcionando, é mexer na criança ou acorda-la levemente cerca de 15 minutos antes do horário em que as crises costumam acontecer. Isso faz com que o padrão de sono seja alterado, possivelmente evitando uma crise.

Entender sobre terror noturno pode reduzir as suas preocupações e te dar meios para ajudar seu filho a ter uma boa noite de sono. Ele geralmente desaparece sozinho com o tempo, sem que nada seja feito. Mas se as crises acontecem na maioria das noites ou mais de uma vez por noite, converse com o pediatra sobre um possível encaminhamento para um especialista do sono.
Fontes:
KidsHealth
Night Terrors Resource Center
BabyCenter

Dê a sua opinião: