Vamos Falar da Segurança do Colar de Âmbar

Vamos Falar da Seguranca do Colar de ambarMorreu uma criança em uma creche Estados Unidos, segundo eles, porque estava usando colar de âmbar.

Aí todo mundo começou a falar do assunto. Eu tenho algumas observações sobre o caso:
1-Essa creche já está respondendo pela morte de uma outra criança – huum no mínimo estranho
2-Esse tipo de caso é raro de acontecer – tanto que vira notícias de jornais no mundo inteiro quando acontece
3-Nada ficou provado que foi culpa do colar e não negligência da creche

Mas como eu não estou aqui para julgar a creche, vou deixar isso para as autoridades competentes, vamos falar da segurança do colar de âmbar. Eu só queria mesmo plantar essa sementinha em você.



Se você não sabe ainda para que serve colar de âmbar, você precisa dar um pulinho nesse texto aqui que eu explico tudo sobre ele.

A questão é que o colar de âmbar funciona mesmo.

“Ah, não usei com o meu filho e ele sobreviveu”
Mas muitas mães, e assim como eu, preferem ver seus filhos confortáveis do que dar alopatia que pode realmente fazer mal (como um futuro problema no estômago) e também não gostam de ver seus filhos sofrendo com dentição. Legal se você passou por essa fase sem precisar do colar e seu filho está vivo, então esse texto não é para você.

Esse texto é para aquelas mães que estão na dúvida se vão ou não usar ou que estão com medo depois de todo esse sensacionalismo, mas por outro lado não querem ver os filhos sofrendo.

E ninguém precisa sofrer nessa fase, basta seguir as dicas de segurança que eu vou dar abaixo:

1-Nunca deixe o seu filho dormir com o colar no pescoço. Por causa do risco de enforcamento, eu sempre tiro, coloco no tornozelo dando duas voltas, passo uma meia por cima para segurar.
Mas a verdade é que um colar de âmbar seguro, de confiança, tem o fecho fraco e arrebenta quando é tensionado. Alguns modelos são fabricados para que o fio do colar escape de dentro do fecho quando é puxado com força. Exatamente para não correr risco de enforcamento.

2-O colar deve ter tamanho adequado. Para bebês e crianças de até 4 anos o ideal são modelos de 33cm.  A partir de 4 anos que indico os de 38cm. Quanto maior o colar maior o risco de ficar preso em algum lugar e apertar o pescoço do seu filho.

3-Preste atenção no formato das pedras do colar. As contas do colar infantil devem ser pequenas e redondas, porque ao se desprenderem, se forem engolidas, evitarão engasgo. Esse modelo de colar de âmbar com contas pequenas é chamado de modelo barroco. Evite colar com contas grandes e achatadas, modelos de lapidação oliva ou chips, pois não são ideais para serem usados por crianças por serem muito grandes.

4-Compre de um fornecedor de confiança. Um vendedor de confiança vai ficar atento a todas essas especificações que eu citei acima. Peça dicas, recomendações para quem já usou e fique de olho nos detalhes de formato e tamanho já citados.

“Ah mas não tem comprovação científica nenhuma” – Não tem porque a indústria farmacêutica alopática e a mídia não têm interesse em comprovar, muito pelo contrário, eles têm interesse em disseminar o medo com matérias sensacionalistas como essa que eu citei no início do texto.

Eu ainda não conheci uma mãe que tenha usado e não tenha visto resultado.

Você não precisa ficar 24hs com o olho colado no seu bebê enquanto ele estiver usando o colar durante o dia. Se o seu bebê já senta, não tem problemas você ir ao banheiro fazer um xixi ou pegar alguma coisa para comer. Se o seu bebê ainda não senta eu não usaria no pescoço sem supervisão. Mas de qualquer forma, existem tornozeleiras de âmbar, então você nem precisa deixar no pescoço, ou use o seu colar no tornozelo.

Quem deu essas dicas foi a especialista na área Mara Braga do site Lithu Âmbar. 
A Lithu âmbar oferece para vocês 5% de desconto com o código MAMAETAGARELA.

Um Comentário:

  1. Adorei. Uso nos meus dois filhos e nunca tive problemas, muito pelo contrário. Essa história desse menino ficou meio sem explicações mesmo…

Dê a sua opinião: