Mordida Entre Crianças na Escola

Mordida Entre Criancas na EscolaNo cotidiano escolar é muito corriqueiro uma criança morder a outra.

Através da boca a criança tem o seu primeiro contato com o mundo pelo seio materno no qual proporciona prazer em saciar sua fome.

Na medida que cresce ela leva outras coisas à boca como mãos, pés e muitas das vezes até objetos.



Segundo os especialistas chama-se de fase oral. Essa fase se divide em 2 características: oral receptiva: quando a criança não passa por privações, tornando-se generosa, oral agressiva: quando a criança tem ciúmes das atenções que os outros recebem e nunca está satisfeito com o que tem.

É muito comum que nas escolas de educação infantil e mais específico nas turmas de maternal, crianças com faixa etária de 2 anos aconteçam as mordidas.

Geralmente essas mordidas aconteçam em situações de disputas por brinquedos ou quando entra uma criança nova no grupo causando medo da perda ou ciúmes do novato, já que o professor está com a atenção voltada pelo novato.

A mordida na escola é uma situação constrangedora de todos os envolvidos, os pais da criança mordedora sente-se envergonhado e os pais da criança mordida ficam chateados com o machucado do filho, sente-se culpado por deixarem a criança na escola, já que a escola tem a difícil tarefa de mediar a situação.

Por isso cabe o profissional criar situações para estabelecer os limites dentro da mesma, mostrando para os alunos que devem respeitar os amigos, tratá-lo bem, com carinho e amor, que o amiguinho machucado fica triste, e chora muito por ter sentido dor.

Quando o fato ocorre na minha escola convidamos os responsáveis para comparecer a instituição, conversamos com as famílias para explicar o porquê das mordidas, mostrar a normalidade delas no desenvolvimento infantil e como é feita a intervenção pedagógica para evitá-las.

O professor é orientado a confortar a criança mordida e mostrar ao colega o que ele fez, mostrando para ele que o amigo ficou triste e dizer frases como “Não pode”, “Dói” e esperar que eles vão compreender que morder não pode ser a melhor forma de se comunicar.

A ação do professor de educação infantil, como mediador das relações entre as crianças e os diversos universos sociais nos quais elas possam gradativamente desenvolver capacidades ligadas a tomada de decisões, a construção de regras, a cooperação, a solidariedade, ao respeito a si mesma e aos outros.

É preciso dar oportunidade para que as crianças participem da criação das regras ( como por exemplo: um bom menino não morde os outros, aquele que foi mordido fica dodói), que irão afetar-lhes diretamente.

Quando o problema se repete o professor deve redobrar a atenção, relembrar com a turma as regrinhas. Ao invés de recriminá-lo o professor deixa o aluno brincar normalmente, ficando de olho para evitar novos episódios mantendo ele sempre por perto.

É feito com a turma atividades que envolva os pequenos a compartilhar uma bola, um livro, etc. Com essas intervenções diárias, notamos uma redução dos incidentes.

Dessa forma o professor estará capacitado para avaliá-los, avaliar sua participação nos resultados para possíveis revisões no seu desempenho.

Denise Bastos
Pedagoga
Trabalha há 25 anos com educação infantil

Foto:
Nurturing A Child

Um Comentário:

  1. Bruna de Souza Sacramento

    Arrasou, tia De!👏👏👏👏
    Com a vasta experiência que tem no âmbito da educação você conseguiu escrever de forma clara os dilemas que envolvem esse assunto e as melhores soluções a serem tomadas!
    Parabéns pelo belíssimo texto e parabéns pelo exemplo de profissional que você é!!!!

Dê a sua opinião: