Você não me olhava nos olhos – Autismo

Você não me olhava nos olhos.

Quando você era um bebezinho, você não me olhava nos olhos. Eu achei que era normal. Algumas pessoas me convenceram que era normal. Eu ficava esperando que você me olhasse nos olhos durante a amamentação mas isso nunca aconteceu.



Você parou de mamar com 5 meses. Eu via todos os outros bebês olhando suas mães nos olhos durante o Tetê mas isso nunca aconteceu entre nós dois. Nesse momento eu tive a minha primeira desconfiança de que algo diferente estava acontecendo.

Depois quando você já era maiorzinho, continuou desviando o olhar. Você continuou assim por bastante tempo, mas com o passar dos anos me permitiu.

Hoje em dia você me permite te encarar, olhar nos seus olhos como se eu estivesse olhando dentro da sua alma. Isso me faz tão feliz. Eu entendo.que você se sinta invadido e que esses poucos segundos que você olha nos meus olhos sejam de um esforço hercúleo para você. Mas para mim isso significa uma conquista, uma evolução.

Obrigada, meu amor, por me permitir olhar nos seus olhos hoje em dia. Mas saiba que você não é obrigado. Você não é obrigado a olhar nos meus olhos e nem nos olhos de ninguém. A não ser que você queira sentir o amor através do olhar. Aí tente fazer esse esforço de olhar nos olhos. O amor da mamãe ou o amor do seu par (quando você for adulto). Vale a pena o esforço. Mas acredito que você já tenha entendido que o esforço compensa, tanto que você, hoje em dia, se conecta comigo dessa forma.

Te amo,
Mamãe

Obs. Essa foi uma carta escrita por mim para o meu pequeno filho atípido. Eric é autista leve (antigamente chamado de Asperger) – Para saber mais sobre o assunto leia “Como eu descobri o autismo – precisamos falar sobre o autismo” onde eu explico os sinais que me fizeram desconfiar e coloco link para o teste online que fizemos, que foi divisor de águas para que buscássemos a investigação.

Deixe seu comentário!