Não Ajudo a Minha Mulher com as Crianças e Nem com a Casa

Nao Ajudo a Minha Mulher com as Criancas e Nem com a CasaHoje de manhã eu saí com as crianças para uma caminhada e depois fui ao supermercado com eles. Na fila, não pude deixar de reparar na conversa entre duas senhoras. Uma delas dizia “você tem que ver como os homens de hoje em dia estão ajudando as suas esposas a cuidar das crianças”. Estavam nitidamente falando de mim. Na hora, tive vontade de responder, só para provocar um pouquinho e mostrar o meu lado pró-feminista. Mas já estava quase na hora do almoço, então apenas sorri e fomos embora.

Depois, em casa, me peguei pensando… O que eu deveria ter falado para elas? Provavelmente teria respondido da mesma forma que costumo responder: “senhora, me desculpe, mas eu não ajudo a minha mulher com as crianças e nem penso em ajudar”. Em seguida explicaria a elas o meu ponto de vista sobre o assunto.

Antes de ser pai, eu nunca fui o tipo de homem que ajuda a sua mulher com as tarefas domésticas. Mas a minha mulher também nunca me ajudou em nada. Depois que os nossos filhos nasceram, as coisas não mudaram muito, continua tudo mais ou menos o mesmo: eu não ajudo minha mulher com as crianças nem com a casa. Talvez você ainda não tenha se dado conta do que eu estou dizendo. Talvez você esteja imaginando coisas horríveis sobre mim e pensando: “coitada da mulher dele, fica tudo nas costas dela”. Não! Eu não ajudo a minha mulher com as crianças, porque não posso ajudar alguém com algo que é de minha total responsabilidade.



Da mesma forma que as tarefas de casa, as crianças não são patrimônio de ninguém, ou seja, não pertencem nem ao pai nem à mãe. Elas são responsabilidade dos dois. Por esse motivo, me sinto ofendido quando tentam me agradar com elogios, exaltando o “quanto eu ajudo a minha mulher”. Sei que a intenção é boa, mas os filhos também são meus e eu tenho total responsabilidade sobre eles. Cuido deles com muito esforço, mas também com muito gosto. Não faço nem mais nem menos do que aquilo que cabe a mim e o mesmo vale para a minha esposa. Ainda assim, por mais que eu me esforce, não consigo fazer tanto quanto ela faz.

Por que temos esta visão das responsabilidades?
Nós ainda temos em mente um modelo de família patriarcal em que há uma distribuição bem definida de tarefas: o homem é o provedor, enquanto a mulher gerencia tudo relacionado à casa, inclusive as crianças. Mas felizmente a sociedade tem passado por grandes mudanças nas últimas décadas e essa divisão de papéis mudou ao longo do tempo. Atualmente, as mulheres continuam sendo profundamente discriminadas socialmente (um indicador disso é a diferença de salários e oportunidades de progressão de carreira), mas elas são agentes do seu próprio crescimento e desenvolvimento. Elas têm a capacidade de entrar no mercado de trabalho e evoluir na carreira nas mesmas áreas que os homens. Se elas escolhem se dedicar a cuidar dos filhos, essa escolha geralmente é por motivos pessoais e não por falta de oportunidades nem direitos sociais.

Uma vez que essa igualdade de papéis entre homens e mulheres existe de fato, dizer que as crianças são de responsabilidade apenas das mulheres é um vestígio do passado. Hoje, homens e as mulheres devem dividir de forma equilibrada as tarefas que cabem aos dois, como a casa e os filhos. Esse equilíbrio não significa dividir todas as tarefas exatamente meio a meio, mas sim uma adaptação flexível entre a disponibilidade de membros da família e as tarefas que precisam ser feitas. Considere, por exemplo, como seria injusto dividir as tarefas meio a meio se a mulher trabalha 12 horas seguidas e chega em casa às 8 da noite, enquanto seu parceiro chega em casa ao meio-dia. Uma divisão 50%-50%, nesse exemplo, seria extremamente injusta.

Quando se tem filhos, então, o casal precisa dar mais um passo em direção a essa flexibilidade. Eu já falei um pouco sobre o papel do pai na amamentação. Muitos pais se sentem perdidos durante essa fase, pensando que a mulher é a única pessoa que pode fazer alguma coisa pelo bebê. Mas à medida que as crianças crescem, o papel do pai vai crescendo junto.

Quais são as tarefas do pai e quais são as da mãe?
Bom, a mãe se encarrega da amamentação, por motivos óbvios. As outras incontáveis tarefas relacionadas às crianças não são exclusivas de ninguém. Elas são perfeitamente intercambiáveis entre o pai e a mãe, de acordo com cada situação, com as habilidades de cada um, ou com preferências pessoais dos próprios pais ou dos filhos (por exemplo: “eu quero dormir com a mamãe / com o papai”).



O que é uma boa divisão de tarefas? É aquela que não cria conflitos, que é equilibrada e justa e que possibilita um desenvolvimento harmonioso da rotina da família.

Qual é o modelo que quero passar para os meus filhos?
Eu quero que meus filhos cresçam sem saber se passar roupa é responsabilidade do homem ou da mulher. Quero que não saibam quem é que tem que limpar o banheiro. Que não associem a cozinha a alguém específico. O mesmo vale para o aspirador de pó, para dobrar roupas ou arrumar os armários. Quero que meus filhos venham com a mesma frequência a mim ou à minha esposa para dormir, para contar suas confidências, para brincar ou para dizer que estão chateados. Quero que não exista um “chefe” da casa e que todos convivam da maneira mais feliz possível.

Então, não, senhora, eu não ajudo a minha mulher com as crianças, nem com a casa. Vou com eles ao supermercado e passeio com eles porque eles são meus filhos e me acompanham aonde quer que eu vá. Eu troco fraldas, dou banho, levo para o parquinho ou cozinho para eles porque eles são meus filhos e não porque eu ajudo a minha mulher. Eles são minha responsabilidade e eu quero cria-los em um modelo de divisão de tarefas diferente do que eu e a senhora tivemos na nossa infância.

Traduzido e adaptado do artigo de Alberto Soler, marido, pai e psicólogo.

Foto:
Introtosoc

4 Comments:

  1. Fantástico!
    Por mais homens assim!

  2. Excelente texto. Como homem e alguém que se beneficia do machismo, mesmo não querendo e tentando se desconstruir diariamente, acho que devemos ter mais homens que pensem assim, que se responsabilizem pelas tarefas domésticas, pelo cuidado dos filhos, pelas funções que são mais atreladas socialmente às mulheres (cozinhar, cuidar, limpar etc.). Do mesmo modo, devemos incentivar que nossas companheiras busquem cada vez liberdade, sem deixar de puxar a orelha dos colegas e amigos que não se esforçarem para isso (este último item é o mais importante, aliás, porque ficar falando de feminismo para mulher é chato pra caramba).
    Muito bom esse post!

Dê a sua opinião: